Paixão ou Amor…?

Não se iluda existe distinção e uma tremenda confusão,
Afinal como distinguir se ambos é provindo do coração,
Ambos nós dão alegrias, tristezas e grande comoção.
E  dão aquele friozinho na barriga em sua iniciação.

A paixão é uma montanha ardente, que consome por inteiro,
Te confunde a razão, bagunça teus pensamentos, e tudo sorrateiro.
Te enche os olhos, e tudo te lembra o ser que te conquistou.
Te faz flutuar, e tudo vira musica, e a emoção te fisgou.

Porém o amor é calmaria que incendeia sem queimar,
Te clareia os pensamentos, faz teu coração cantar.
Te completa a alma, e nem precisa de uma explicação.
Te eleva os sonhos, te faz voar sem sair do chão.

Paixão passageira com hora marcada pra chegar,
Como beija-flor, chega e vai sem avisar,
Amor chega quando menos  esta a esperar,
E sem data para acabar.

Amor tudo suporta, e tudo compreendi.
Paixão confundi valores, fácil de desisti.
Quem nunca se apaixonou esperando ser amor,
Mas não imaginava tamanha dor.

Com as paixões aprendemos que o melhor é esperar,
Que corta alma mas é preciso as feridas cicatrizar,
Não importa a idade sempre terá um amor para te encontrar.
Apenas limpe e abra teu coração para quando ele chegar.

Amar é compreender que não existe perfeição.
É pura aceitação, entre duas pessoas em junção,
É entender que é preciso dois, em uma única sintonia,
Cantando as mesmas vibrações,vencendo a desarmonia.

Eu escolho esperar o amor passar,
E dizer até logo as paixões que se apresentar,
Quero um conto de fadas que enche o coração e motiva a sonhar,
De passagem me resta a vida, que voa como o abrir de um olhar.

Anúncios

Serafim.

Falta um pedaço de mim,
Será você meu serafim?
Noites em claros e pensamentos em conflito,
Angustia invade a alma, coração aflito.

Perdi-se o motivo de sorrir,
A junção do meu mundo, a razão do meu fluir,
Como não ouvir a voz que embalava meus sonhos,
Como esquecer? Todos os tão esperados carinhos.

Frágeis braços, que compreendia todos meus anseios,
Esconderijo seguro contra todos os temores néscios,
Era uma junção perfeita onde não cabia os receios,
Passagem perfeita para todos meus devaneios.

Mas você não esta aqui hoje, pra mim,
Ondes vagas meu querido serafim?
A vida é tão curta, e oportunidades únicas,
E se só restar o agora?

 

Ela.

Mais uma vez estarei aqui esperando ela passar,
Teu jeito ligeiro e misteriosamente encantador,
Cabelo ao rosto parece não se importar.
Apenas observo a dona dos meus suspiros, minha beija-flor.

Não existe imperfeições para o amor,
Como explicar tal sentimento flui no ar,
Fico a me perguntar quando ela ira me notar,
Se já me nota-se, isso seria já consolador.

Teus cabelos negros como a noite densa,
Tua pele tão branca como a neve intensa,
De lábios radiantes, de um vermelho vibrante,
Um sorriso que eu queria que fosse todos pra mim.

Só por hoje olhe pra mim,
Sempre estarei aqui noites sem fim,
Se existe possibilidades que seja logo enfim.
Se ainda não percebeu eu estou bem mais que a fim.

Voar.

Me falaram que era impossível voar.
Então eu comecei amar,
E foi em um primeiro olhar,
Simplesmente eu passei a te observar,
De palavras singelas veio a me  conquistar….

Dos teus abraços não queria mais largar,
Como abandonar quem faz todos os anseios acabar,
Quando é real existe sintonia até no ar,
Conversamos no silencio das palavras, sem ninguém notar.

Porto seguro, quando as tempestades agitam meu mar,
Tantas lembranças, e brincadeiras a se lembrar,
O coração tem missão de cada detalhe guardar,
Os risos, choros, medos e tudo que me ensinou a valorizar.

Não ha arrependimentos em se voar,
Ao se proteger não esqueça da paisagem admirar,
Nada foi criado para infinitamente durar,
E no crescimento é inevitável não se machucar.
Não se prive de tentar ser feliz, e nem de amar.

Voar ou amar?
Ariscar ou lamentar?
Chorar ou alegrar?
Encorajar ou amedrontar?
Só não se esqueça que amar é voar…

 

So me diga…

Quando nossos caminhos deixaram o mesmo sentido….
Foram quando não mais havia os lembretes de amor contido?
Quando deixei de ser sua inspiração…
Foram as ausências de palavras, fracassaram a paixão?

Não notei quando deixou de me amar como me amava,
Sempre imaginei calmaria porém a tempestade se aproximava,
Não me vejo em teus iluminares, nem o movimento brilhante de teus olhos.
Como saber que todos os planos da mente seriam falhos.

Minha bola de cristal não programada para ler mentes,
Não pode ver todos os alarmes e avisos, nem a perda dos sentimentos,
Caminhos opostos, poucas palavras e todo o amor perdido, abandonados.
Nem condiz com a relevante aparência de dois eternos apaixonados.

Eram sonhos de verão, dois tolos buscando motivos para sofrer,
Tantos momentos especiais, calorosas lembranças que não para de doer,
Lagrimas incessantes, cabeça nas nuvens e eu não sei..
Só me diga, quando perdi o homem que amei…

A colina.

Tão alto quero depositar meus pensares,
Loucos talvez insanos mas sobre tudo perturbadores,
Quero os conselhos teus, a sabedoria do silencio e dos teus ares,
Posso materializar os sentimentos, e não me preocupar com as dores.

Plantei meu amor bem no alto da colina,
Tão frondosa arvores de espinhos nascera,
Embalada com o silencio conturbador da alma,
Regrada das lagrimas derramadas pelas dores de se amar.

Bem do alto vejo um horizonte intocável, pelos sonhos imaturos.
No céu azul posso jurar, que as nuvens brincam com formas de teu rosto.
Mas um amor não sobrevive só, sem os cuidados diários e uma pousada.
Mas no jogo do amor nem sempre dá para se ganhar.
Sobrevive o mais forte, ou se arruma uma colina para se lamentar.

Bem do alto eu só quero
lançar meus pensamentos..
Esgotar tais sentimentos..
Esquecer nossos momentos
Não enlouquecer com meus lamentos..
E recomeçar não é opção mas uma necessidade de não constrangimentos.

Alma chora.

Hoje não sei se conseguirei esconder o riso do choro.
Quando a alma chora difícil é ate sorrir.
Como montanha russa estou, mas já não importa se chove ou faça sol.
Se conseguir me levantar sem arranhões dessa louca vida.
Poderei tudo, ate mesmo esquecer o que tem de você em mim.

Se escrevo não é por plateia mas para esvaziar a pertubação que tortura alma.
Liberar alma, um torniquete para tirar a pressão que é ser alguém como eu.
Já tentei me refugir das pedras, paus e do olhar acusador.
Liberdade instantânea mas com marcas tão profundas que sangra.

Você não é culpado, ninguém é, afinal sou prisioneira em meu próprio mundo.
Quando tento falar a dor sufoca toda palavra e resta a dor.
Mergulho  a cada instante no profundo e tenebroso lago da solidão.
Já tentei amar, já tentei falar, já tentei me segurar mas a tendencia é desvaneio.

Mente confusa, ideias desconexas e sem um caminho a percorrer.
Os desvaneio repentinos e frequentes forjam uma vida insana.
Mas não se preocupe, a vida que segue para a algum lugar.
Eu só quero calar as vozes, silenciar alma e ter a tão sonhada paz.